Saúde mental: Advogados americanos começam a incorporar meditação ao dia a dia

Reforma da previdência – OAB se posiciona oficialmente: CONTRA
4 de fevereiro de 2017
Justiça reconhece vínculo empregatício entre Uber e motorista
14 de fevereiro de 2017

Poucos profissionais no mundo vivem sob tanta pressão — e tensão — quanto advogados. Nos EUA, há uma preocupação constante com as significativas taxas de suicídio, de alcoolismo, de consumo de drogas e de depressão na classe. Por isso, uma nova “intenção” para o ano que se inicia está se tornando popular entre os advogados: aprender a meditar.

Obviamente tal intenção, no meio de tantos intelectuais, não deriva de qualquer incursão no mundo espiritual. É uma intenção muito mais pragmática: manter a saúde mental, controlar o estresse, reduzir a pressão arterial, viver uma vida mais saudável e, consequentemente, conseguir responder mais apropriadamente a situações difíceis — o que não falta na profissão.

Meditação para “pensadores” não é uma coisa fácil. É preciso aquietar a mente. E pedir para um “pensador” inveterado aquietar a mente é a mesma coisa que pedir a um macaco, em uma loja de louças, para ficar quieto — essa é uma imagem já antiga.

Imagem relacionada

No entanto, a meditação com “plena atenção” pode resolver problemas que afligem muita gente, como o de insônia. E isso resulta em maior energia e maior produtividade no dia seguinte, diz um estudo da Universidade Harvard.

Recentemente, começaram a aparecer, nos sites dedicados a advogados, artigos sobre meditação — um tema que não estava na pauta de muitos profissionais até pouco tempo. O Lawyerist, cujo conteúdo é inteiramente dedicado a questões relevantes para a carreira e a prática dos advogados, entrou nesse assunto, com seus próprios argumentos.

Um deles é o de que a meditação ajuda profissionalmente os advogados que trabalham com contenciosos. Provavelmente porque aprendem a ter mais domínio da própria mente em situações hostis. O advogado aprende a ver seus limites e administrar melhor sua energia e seu tempo. E passa a ver os problemas do cliente de uma forma mais clara.

Porém, meditação não é uma prática que se pode fazer esporadicamente, para colher os resultados. Ela requer um esforço persistente, sistemático, como fazer exercícios, diz o Lawyerist, que sugere 10 passos para o advogado adicionar meditação a sua prática:

Resultado de imagem para advogado meditando

 

PASSO A PASSO PARA A PRÁTICA DA MEDITAÇÃO

Este passo a passo pode ser usado por qualquer pessoa que queira um maior foco interior e uma vida mais plena.

 

1. Defina, por escrito, sua intenção
Não existe intenção certa ou errada para todos. Existe a intenção de cada um, que deve ser uma razão convincente, motivadora, para tocar o projeto em frente — como qualquer outro projeto na vida.

Mas existem algumas razões comuns: reduzir o estresse, a ansiedade, a depressão e todo e qualquer problema de saúde mental; ajudar a solucionar qualquer problema de saúde; melhorar o autoconhecimento; aprender a reagir mais apropriadamente, em vez de automaticamente a situações na vida e no trabalho; se desconectar do barulho e das distrações que prejudicam sua atuação; e aumentar a produtividade.

A advogada Jeena Cho, que escreveu um artigo para o Lawyerist sobre esse tema, disse que encoraja o advogado a definir sua intenção por escrito, primeiramente porque é um advogado, e pôr as coisas por escrito é o que um advogado faz; em segundo lugar, porque a intenção expressa por escrito ajuda a estabelecer comprometimento. Muitas vezes, se há uma vontade de “pular” um dia, basta ler a intenção escrita para não fazer isso.

Compartilhar a intenção com outros (cônjuge, amigo, colega de escritório) ajuda a fortalecer o comprometimento. E manter a motivação.

Segundo a advogada Megan Zavieh, que escreveu um artigo para o Lawyerist sobre comprometimento (uma palavra mais forte para “intenção”), alguns advogados estão criando grupos na mídia social, em que cada um informa os demais sobre seus comprometimentos para o ano (meditar, fazer exercícios, fazer marketing ou o que seja). O motivo é o de ser cobrado, mesmo, sob pena de “desmoralização” (cordial). Como um benefício adicional, isso fortalece o relacionamento entre colegas.

 

2. Comece com apenas dois minutos diários
A probabilidade de você meditar todos os dias é muito maior se você estabelecer uma meta que é facilmente cumprida. A ideia é começar com um limite baixo o suficiente para reduzir a probabilidade de falhar. Segundo Jeena Cho, pesquisas revelaram que se você meditar apenas dois minutos por dia, por 21 dias, você pode reprogramar seu cérebro para trabalhar de forma mais otimista e bem-sucedida. O tempo de meditação pode ser elevado progressivamente.

 

3. Equipe-se
Não é uma boa ideia meditar por dois minutos em um dia, cinco em outro e nenhum no terceiro. A ideia é ficar nos dois minutos, até que o tempo seja oficialmente elevado para quatro. Portanto, é bom usar um cronômetro ou um despertador.

Um smartphone pode ser usado para esse fim. Mas pode trazer distrações (como uma chamada). Mas há aplicativos que podem ajudar, como Headspace, Calm, Buddhify, Mindfulness, ZenFriend e Insight Timer.

Sente-se. Para meditar, é preciso se sentir confortável — e como fazer isso é uma decisão de cada um, mas a recomendação é a de que se faça sentado(a). Uma cadeira ou um banco ajudam a manter os pés firmemente no chão. Uma almofada obriga a cruzar as pernas. Algumas pessoas preferem abrir os braços. Outras preferem segurar as mãos sobre o próprio colo. De qualquer forma, tudo é uma questão de manter a espinha ereta (a mente quieta e o coração tranquilo — como diz a música).

 

4. Ligue a meditação a um hábito atual
A memória funciona melhor quando a coisa que se tem de lembrar é associada a outra que não se esquece facilmente. Há quem ligue o hábito de escovar os dentes à prática da meditação (antes ou depois), para torná-la um hábito também. Se sentir vontade de “pular” um dia, não debata internamente se deve ou não. Meditar, tal como fazer exercícios, é uma coisa que você faz ou não.

 

5. Estabeleça um horário e lugar específicos
Incorporar a meditação a seus hábitos diários se torna mais fácil se você estabelecer um horário e lugar específicos para isso. Há quem prefira fazê-lo logo depois de se levantar, de manhã, para começar o dia. Há advogados que preferem fazê-lo ao chegar ao escritório de manhã ou no horário do almoço. Algumas opções podem ser tentadas, até se chegar à melhor.

 

6. Comece a meditar, sem delongas
É mais fácil complicar seu plano de meditação do que simplificá-lo. Na verdade, você pode ler e ver vídeos sobre meditação, mas nada ajuda mais do que simplesmente começar a fazê-la. Do contrário, é a mesma coisa que começar a estudar todas as técnicas de uma maratona, sem começar a correr. Para começar, faça apenas o seguinte:

  • sente-se em uma posição confortável, mantendo a espinha ereta;
  • feche os olhos;
  • concentre sua atenção na respiração — observe o processo de aspirar e exalar o ar;
  • quando a mente “viajar”, traga-a de volta para a respiração (normal).

O budista tibetano Geshe Kelsang Gyatso afirma que a melhor maneira de meditar é colocar a mente em estado de felicidade.

 

7. Deixe a mente aberta à experiência
A advogada Jeena Cho diz que todos os dias, ao se sentar para meditar, seu método é o de manter a mente aberta e a curiosidade ativa, para ver o que vai acontecer. Cada dia é um pouco diferente, mas a cada vez vai se familiarizando mais com seu estado interior. Há dias em que é mais fácil se concentrar na respiração e aquietar os pensamentos. Mas há dias que os pensamentos atacam a mente como um tornado.

Você não deve julgar sua capacidade de meditar, pensando que é bom ou ruim nessa prática. Aborde o processo mais como um cientista o faria. O objeto de seu estudo é sua própria mente. Assim, se você percebe que sua mente está cheia de raiva, observe-a com curiosidade. Procure apenas se familiarizar com sua mente, em vez de rotulá-la de boa ou má para meditação. Observe os sentimentos que são persistentes quando tenta meditar.

 

8. Seja paciente
Segundo Jeena Cho, muitos advogados têm expectativas irrealistas sobre a rapidez com que a meditação deve começar a produzir resultados. Você deve levar em consideração, ela diz, que maus hábitos de sua mente demoraram décadas para se formar e se sedimentar. Não se pode esperar que mudem da noite para o dia. Pode ser que nunca desapareçam inteiramente, mas você aprende a lidar com eles.

Ela conta que uma das razões que a levou a aprender meditação foi a ansiedade que sentia quando deveria falar em público. Graças à meditação, ela melhorou substancialmente, mas ainda sente alguma ansiedade antes de entrar no palco. Porém, aprendeu a interagir com o nervosismo. Aprendeu a distinguir entre pensamentos negativos (como “vou me esquecer do que devo falar”) e os fatos. E ir em frente.

 

9. Problemas comuns na meditação

  • Adormecer ou sentir sono. A causa mais provável disso é que você não está dormindo o suficiente. Isso se resolve com uma noite mais longa de sono, normalmente. Meditar após as refeições ou imediatamente antes de dormir também pode ser uma razão. Por isso, muitos preferem meditar logo depois de acordar, pela manhã. Se o problema persistir, abra seus olhos e fixe a vista em um ponto próximo a você. Também é possível meditar em pé;
  • você não consegue aquietar a mente. A meditação não interrompe necessariamente seus pensamentos ou os elimina. Sua mente continua a produzir pensamentos durante a meditação. Aprenda a observar seus pensamentos como nuvens no céu. Pensamentos virão e irão. Deixe-os;
  • desconfortos físicos. Se você está acostumado a se sentar em uma poltrona ou em um sofá, com uma postura relaxada, vai demorar algum tempo até que seu corpo se ajuste a uma postura ereta. Você deve se sentar com os dois pés firmes no chão e a coluna ereta. Ajuste seu corpo até que sua cabeça, pescoço, coluna e quadril estejam confortáveis e alinhados.

 

10. Seja sempre um iniciante
Em termos de meditação, é sempre melhor pensar em você mesmo como um iniciante. Mantenha a mente aberta e curiosa sobre a experiência. A meditação é a única e rara instância em que você pratica ativamente o “fazer nada”. Nenhum esforço para fazer o que quer que seja, para estar em algum lugar ou para conseguir alguma coisa.

Cada vez que se sentar para meditar, não tente se tornar um especialista na “matéria”. E não se preocupe sobre a forma correta de meditar. O que é mais importante em meditação é praticar todos os dias. E, se perder um ou mais dias ou mesmo semanas ou meses, comece tudo de novo, quando possível.

 

Aqui no Brasil, alguns advogados já são adeptos a essa prática. Dentre eles está Marcílio Guedes Drummond, advogado-sócio do Guedes Drummond Advogados. Ele afirma que a meditação tem feito muito bem a ele e revela um truque que usou para estabelecer o hábito:

 

“Eu me propus a meditar todos os dias, aumentando gradualmente o tempo que medito. Como forma de me comprometer com esse novo hábito, utilizei-me do gatilho mental do ‘comprometimento social’. Como fiz isso? Postei e, ainda posto, todos os dias, no Instagram Stories – um novo recurso que reúne posts de um momento especial disponíveis por apenas 24 horas – cada vez que termino de meditar. Com isso, amigos e seguidores fazem parte do meu hábito, o que reforça a continuidade desse momento.”

 

Caro leitor, você já meditou? Vamos meditar?

 

Influência de conteúdo: Conjur.

 

Seu Jurídico no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *