Advogado destituído tem direito aos honorários

Férias forenses!
20 de dezembro de 2017
Pena aumentada em caso de homicído por embriaguez no trânsito
20 de dezembro de 2017

Analyzing financial data

“Fixados os honorários em processo de execução, quer para pronto pagamento, quer em caso de não existir esta situação, estes honorários pertencem ao advogado que ingressou com a ação, sendo, portanto, indisponível em relação ao seu cliente.”

Com este entendimento, a 2ª câmara de Direito Privado do TJ/MT garantiu que um advogado recebesse os honorários fixados em ação de execução por título extrajudicial na qual o causídico representou inicialmente uma instituição bancária.

De acordo com a decisão, se o cliente, mais tarde, no seu direito de rescindir o contrato, substitui o advogado, aqueles honorários já fixados quando do ingresso da ação são intocáveis, não podendo a instituição financeira que o contratou, eximir-se do pagamento.

No caso, quando da distribuição da execução, antes da destituição, o advogado foi agraciado com a verba honorária. Posteriormente, a instituição financeira fez acordo com o devedor sem ficar mencionado nada em relação aos honorários já fixados.

Relator, o desembargador Sebastião de Moraes Filho ressaltou que, em processo de execução fixados os honorários em favor do advogado que distribuiu a ação, a substituição deste se dá por conta e risco da instituição financeira. Tem ela, segundo o magistrado, direito inquestionável de substituir o advogado no processo de execução. Contudo, tem o dever indeclinável de arcar com seu ato, isto é, pagar os honorários já arbitrados pelo juiz, “direito do advogado já abraçado pelo ato jurídico perfeito e acabado vez que se trata de direito indisponível.”

O entendimento foi acompanhado por unanimidade pelos integrantes da 2ª Câmara de Direito Privado do TJ.

  • Processo: 105508/2017

Fonte: migalhas.com

Saiba mais: Seu Jurídico no Facebook

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *