Gestão jurídica para empresas é cada vez mais indispensável

Iniciando na advocacia? Confira estas dicas para melhorar seu desempenho!
21 de dezembro de 2017
Fim de ano próximo. Reflexões para um acadêmico (de Direito)
21 de dezembro de 2017

A boa gestão jurídica de uma empresa é essencial para que prejuízos financeiros e outros entraves não se tornem uma constante em seu funcionamento. No caso de uma condenação, as dívidas judiciais acumuladas podem sair caro. É o que explica o advogadoFelipe Esbroglio de Barros Lima, de Silveiro Advogados. “Para o outro lado, ou seja, para o credor, é um investimento com rendimento muito superior à média do mercado”, compara.

De acordo com ele, a atualização dos valores envolve a correção monetária e juros de 1% ao mês. Ou seja, o encerramento rápido do processo pode gerar uma economia muito grande. “Para que tudo funcione da maneira ideal, é necessária harmonia entre o departamento jurídico e as outras peças de uma mesma corporação. Com a atuação das empresas em nível nacional e a consequente distribuição de processos por todo o território, um dos detalhes mais importantes é centralizar as demandas em um só escritório de advocacia com abrangência nacional e alto nível de compreensão do negócio da companhia.”

Segundo o especialista, uma boa solução é alocar pessoas somente na negociação de acordos, a fim de encerrar rapidamente as demandas e evitar o aumento do valor a ser desembolsado, em razão das atualizações. “Se há uma expectativa provável de perda do caso e espaço no orçamento para realizar o pagamento do valor devido, não há motivo para se aguardar uma sentença, tempo no qual a dívida irá crescer rapidamente.”

Outro ponto de atenção é o cumprimento ágil e preciso das decisões judiciais, tanto em caráter liminar, como definitivo. Algo corriqueiro, conforme o advogado, é que os maiores desembolsos não acontecem por conta de indenizações, mas pela aplicação de multas por obrigações que não são cumpridas à risca, ou decisões judiciais simplesmente impossíveis de se cumprir, como por exemplo, a entrega de um produto, ou prestação de um serviço não fornecido pela empresa, o que normalmente ocorre devido a uma falha de comunicação no momento da venda. “Nesses casos, deve-se demonstrar de forma clara o problema enfrentado no processo, limitando o valor das multas e buscando soluções alternativas”, recomenda o advogado.

Diálogos e acordos entre as partes devem ser trabalhados da maneira mais clara possível. Conforme a complexidade da disputa, a resolução dispõe de várias ferramentas escalonáveis.

Existem vários níveis para a solução de um impasse. Existe a conciliação, pela qual as duas partes simplesmente entram em consenso. O segundo nível é a mediação, em que um mediador trabalha a forma como as partes devem se portar em relação à outra e como pensar na solução do conflito, ainda de forma consensual. Com a arbitragem, que seria o próximo grau, as partes estão em consenso somente sobre quem será esse(s) árbitro(s), podendo ainda acordar elementos como a legislação e prazos aplicáveis. A solução do conflito, no entanto, já não é mais realizada de forma consensual, mas pelo julgador definido por elas”.

Isso também deve ser contabilizado em um orçamento, ou na receita da companhia, já que a arbitragem oferece maior rapidez e especialização que o judiciário, mas tem um custo mais caro. A arbitragem se apresenta como a melhor solução para casos complexos e com alto valor envolvido, normalmente contando com profissionais e entidades especializadas nos casos que irão arbitrar e que podem estipular até um prazo para uma decisão final. “A arbitragem, via de regra, também é sigilosa, o que é mais um valor agregado a essa opção”, explica Barros Lima.

Fonte: migalhas.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *